Notícias e informações do setor

EMBRAPII é destaque no Estadão

ABIEPAN | 02/08/2019

Artigo de José Goldemberg, publicado no jornal O Estado de S. Paulo, em 15 de julho de 2019, ressalta a importância da EMBRAPII – organização social parceira da CSMPAN/ABIEPAN – no fomento da inovação no Brasil por meio de parcerias diretas entre as empresas e os institutos e universidades públicas.

POR JOSÉ GOLDEMBERG
PROFESSOR EMÉRITO DA USP, FOI MINISTRO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Uma das consequências importantes do acordo firmado pelo Mercosul com a União Europeia (UE) será a de elevar a pesquisa científica e tecnológica do Brasil a um novo patamar. O acordo estabelece que dentro de dez a 15 anos as tarifas de importação de produtos que o Brasil importa da União Europeia, como máquinas, vinhos e cosméticos, serão praticamente eliminadas. O que isso significa é que os produtos importados ficarão mais baratos, competindo fortemente com os produzidos localmente. Hoje muitos deles só sobrevivem porque as tarifas de importação são elevadas, o que protege os produtores nacionais.

Para poderem competir, as indústrias locais vão ter de procurar melhores tecnologias e métodos de produção, que se encontram nas universidades e nos institutos de pesquisas do País que foram preparadas para essas atividades, pelas seguintes razões:

•    O apoio dado pelo governo de São Paulo às universidades públicas estaduais. O governo paulista dedica cerca de 10% dos recursos do ICMS às três universidades do Estado – USP, Unicamp e Unesp –, o que só ocorre em poucos países do mundo. O governo federal criou, ao longo dos anos, 68 universidades federais.

•    O apoio dado pelo governo federal, inclusive no período militar, à pesquisa científica por meio da Finep e do BNDES, como parte de uma visão nacionalista e até de autarquia tecnológica em áreas estratégicas – nuclear, espacial, informática e outras. Essas visões se revelaram, de modo geral, irrealistas como se viu, exceto no caso do petróleo, em que a Universidade Federal do Rio de Janeiro desempenhou importante papel.

O sistema universitário público, no qual se concentra a pesquisa científica e tecnológica do País, beneficiou-se extraordinariamente desse apoio. Até 2014, 120 mil estudantes obtiveram o doutorado e cerca de 300 mil, o mestrado.

A julgar pelo número de publicações, formação de mestres e doutores, o setor de ciência e tecnologia (C&T) do Brasil vai bastante bem, principalmente nas universidades do Estado de São Paulo e em algumas universidades federais, como as do Rio de Janeiro (UFRJ) e de Minas Gerais (UFMG), e em institutos de pesquisa, como Embrapa e Fiocruz.

Em outras palavras, o sistema de produção de C&T, essencialmente acadêmico, desenvolveu-se bem no Brasil. O que não se desenvolveu bem foi a demanda por conhecimentos científicos e tecnológicos, por causa da natureza do sistema produtivo, que foi protegido por altas tarifas alfandegárias.

Cerca de 90% dos pesquisadores do País estão nas universidades públicas e privadas. Apenas 10% dos doutores – cerca de 10 mil – se encontram em entidades empresariais, particularmente nas indústrias, que fazem pouco uso da grande capacidade científica que foi desenvolvida nas universidades. Em outras palavras, o sistema científico do País é essencialmente estatal. Nos países industrializados, como os Estados Unidos, cerca de dois terços da atividade de C&T está nas empresas, enquanto no Brasil menos de um terço corre fora do sistema estatal.

O que a experiência mostra é que é ingênua a ideia de que um forte sistema de ciência e tecnologia estatal impulsionaria sozinho a expansão da atividade industrial. Esta é, porém, a situação atual no Brasil, onde as universidades e os institutos produzem ciência de boa qualidade aguardando que a sociedade use sua competência.

Nos países industrializados a demanda por C&T é grande pela forte competição entre as indústrias, que procuram cientistas nas universidades e nos institutos para solucionar seus problemas ou os contratam para trabalharem para elas. Enquanto isso não for feito no Brasil, o setor industrial não se tornará mais competitivo.

A grande exceção é o setor agropecuário, em que as características climáticas favoráveis tiveram papel importante, além do apoio da capacidade técnica da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), do Instituto Agronômico de Campinas, da Embrapa e outros. O sucesso do setor de papel e celulose e o da produção de etanol da cana-de-açúcar são também notórios.

O acordo Mercosul-UE vai acelerar esse processo para muitos outros setores até agora protegidos por altas tarifas: as universidades públicas e os institutos de pesquisas, como o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), que dispõem de forte capacidade instalada, vão ser procurados pelas indústrias para resolverem os seus problemas, o que não se verifica hoje na escala desejável.

Há exemplos de que isso já foi feito no passado. O melhor deles talvez seja o do IPT, que em 1932, durante a Revolução Constitucionalista, foi utilizado intensamente na produção de armas para o Estado.

Para facilitar a colaboração das indústrias com os institutos e universidades públicas o governo federal já tem instrumentos financeiros, como a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII). Criada em 2013, a EMBRAPII fomenta a inovação por meio de parcerias diretas: empresas que têm um problema a resolver contratam um grupo nas universidades ou nos institutos de pesquisas para fazê-lo. Os custos do projeto são divididos entre a EMBRAPII e a empresa. Em São Paulo, a Fapesp atua há anos criando centros de pesquisas em engenharia nas universidades em parceria com as indústrias.

O que vai acontecer também em muitos casos é que as empresas criarão centros de pesquisas próprios para desenvolver as tecnologias de que necessitam e contratarão pesquisadores e consultores das universidades e dos institutos, como já é em alguns setores. A pesquisa nesses centros garantirá às empresas os direitos de propriedade industrial.

O Brasil está em condições de dar um grande salto na modernização do seu sistema produtivo e na inserção nos mercados internacionais, expandindo suas exportações. O acordo com a União Europeia vai ajudar nesse processo.

Fonte: Embrapii




ABIEPAN realizará pavilhão brasileiro na feira SIGEP 2022

ABIEPAN realizará pavilhão brasileiro na feira SIGEP 2022

Saiba mais


ASSOCIAÇÃO AO PROJETO BRASIL FOODSERVICE

ASSOCIE AO PROJETO BRASIL FOODSERVICE

Saiba mais


ABIEPAN ORGANIZA RODADA DE NEGÓCIOS VIRTUAL PARA ESTADOS UNDIOS E COLÔMBIA

A ABIEPAN EM PARCERIA COM A APEX-BRASIL, ATRAVÉS DO PS BRASIL FOODSERVICE, ORGANIZA A SEGUNDA RODADA DE NEGÓCIOS VIRTUAL PARA OS SEUS ASSOCIADOS

Saiba mais